,

Suzane é aplaudida e recepcionada por membros dos “Direito Humanos” em São Paulo

008

SÃO PAULO – Após amargar mais de uma década no cárcere somente por ter matado os pais, Suzane Von Richtofen finalmente conseguiu o direito de progredir de regime de cumprimento de pena, passando ao regime semi-aberto.

O regime de cumprimento de pena semi-aberto possibilita que o apenado fique livre durante o dia, mas o obriga a se recolher à noite no estabelecimento prisional.

Exemplo célebre recente é do presidiário José Dirceu, dirigente petista e ex-ministro da Casa Civil do governo Lula.

No caso de Suzane, no entanto, foi necessário que ela cumprisse dois quintos da pena, uma vez que o crime no qual foi condenada – homicídio qualificado – é considerado hediondo.

Ao ganhar às ruas em seu primeiro dia no semi-aberto, Suzane foi agraciada com uma calorosa recepção, promovida por ativistas dos direitos humanos.

“Queremos dar amparo para ela, pois sabemos que é uma fase de transição complicada, ainda mais para quem é órfão e não conta com uma família para apoiar”, declarou o presidente de uma ONG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *